Variedades

A alegria do Carnaval

Por Ruiz

É carnaval…

Queridas leitoras, finalmente chega o Carnaval. Época em que a gente não se reconhece em que tudo é permitido e a gente se leva menos a sério.

Se eu pudesse cavar uma cova, eu me enterraria na sexta-feira e só sairia na outra sexta. Desculpem, não gosto de carnaval e não há nada que me faça mudar de idéia. Mas gosto da idéia de ficar vários dias sem trabalhar!

O Carnaval junta várias tribos: a tribo do ‘vamos para a praia’ – que significa, na verdade, passar 11 horas na estrada para percorrer uma distância que, à pé, levaria 8 horas.

Ainda tem a emoção dos arrastões na estrada e na praia, a falta de água e as filas em todos os lugares. Mas o povo se sente feliz…

Tem a tribo do ‘vamos para o nordeste’. Esse é mais complicado. Gasta um dinheirão pra comprar um abadá (que eu até hoje não entendi muito bem o que é), e ficar pulando debaixo de um Sol de 45 graus. Aí se percebe a catinga, o suor, a pegação e… bom, não quero falar sobre trios elétricos. Mas o povo se sente feliz…

Tem a tribo das escolas de samba. Aqueles que vão desfilar porque… porque… nem sei bem porque. Talvez porque precisam contar alguma história diferente. Talvez porque esteja em moda, ou seja, do time de futebol. Claro, aqui excluo as pessoas que realmente vivem para suas escolas de samba. Mas o povo se sente feliz…

E o que mais me chateia, sem muito falso moralismo, é a depreciação do ser humano. Acho que cada vez mais, vemos menos nos desfiles e a ‘objetivação’ da mulher. Não são mais passistas, mas máquinas milimetricamente produzidas para seduzir, como se fossem deusas incontroláveis do sexo. Tudo bem.  Acho que não tem nada de errado usar roupas assim ou assado, mas isso deixou de ser importante. A TV fala sobre quando mililitros fulana ou beltrana colocou na comissão de frente ou no pandeiro.

Veja também:  Emprego novo, como se portar?

Acho que é desnecessário falar sobre a necessidade de se proteger nessa época. Sexo inseguro? Sim, vocês estão cansados de saber. Falo de se proteger dos excessos.

Excesso de Sol, de álcool, de drogas, de comida… Alimentar-se bem, beber muita água, usar repelentes, desodorantes, sabonete. Não é porque é Carnaval que você vai descer do salto e dar um duplo-twist carpado na jaca, certo?

Boa diversão!

Beijos,
Ruiz

Paulista, 42 anos, formada em Tecnologia, otimista. Adoro falar sobre moda, beleza e, mais recentemente, sobre maternidade. Aqui escrevo sobre tudo que gosto, espero que gostem também!

6 Comentários

  • Samara Correia

    Amei o “duplo-twist carpado na jaca” hahahaha

    Ruiz, foi o melhor post nessa semana de carnaval, enfim, é exatamente o que penso.

    Minha sorte, e nessas horas fico mais feliz ainda de morar em Brasília, é que aqui não tem nada de carnaval.

    A cidade fica vazia, cada um vai procurar sua tribo em algum canto, e aqui fica só o vazio e a chuva!! Pra que melhor, né?! huahuahuahu

    E eu fico aqui aproveitando os dias de folga, afinal, disso não reclamo nunca hahaha

    bjus

  • Paola Cardozo

    hahaha morri de rir com o texto! mto bom ^^
    Eu tbm só gosto de carnaval pq não preciso ir trabalhar e posso dormir, cruz credo um dia sair de abadá, não é pra mim 🙂
    Bjos e bom carnaval!!!

  • Cami

    Ai Rú, se eu pudesse também cavaria um buraco pra me esconder. Geralmente eu vou pra sitio, meio do mato, qualquer lugar isolado, eu já sou anti-social por natureza então imagina como me sinto nessa época.
    Quando não viajo, fico em casa jogando algum game violento e esperando ansiosamente o final do carnaval rss!!

    Mas tem a vantagem que você falou, dia de não fazer nada, sem trabalho e aquele clima de feriado que é bom.

    Gostei do post, faz bem o estilo daquele Ruiz que eu conheço 😉
    Abração.

    • Ruiz

      Oi Camila!

      Essa é a Camila que eu conheço! 🙂
      Minha vontade é, mesmo, ficar jogando, assistindo filmes ou até mesmo aproveitar a cidade vazia e ir em lugares que normalmente são superlotados.

      Beijo e bom ‘carnaval’

      Ruiz

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *