Variedades

Amor Platônico

Por Ruiz

Esse é um tema que necessita de leveza e desprendimento. Talvez até um pouco de poesia e de música!

O amor é o maior combustível dos poetas. Sem ele, provavelmente a poesia seria triste e vazia. Retrataria coisas da natureza, do cotidiano. Mas não a essência humana.

E, na minha opinião, leiga em conceitos ou conhecimentos específicos de psicologia ou outras ciências, o amor é o que move o ser humano. Move para serem melhores, pelo amor às coisas que gosta, pelo amor à familia, pelo amor ao trabalho e tantas outras coisas que poderia listar aqui. O inverso também é verdadeiro- o não-amor.

Mas vamos falar de um tipo de amor especial… o “Amor Platônico”. Platão dizia que esse era o amor que fica no plano das idéias, que nunca pode se realizar, porque não é real. Mas pensando bem, é algo muito mais comum do que a gente pensa.

Veja também:  Especial Dia das Mães - Dicas na escolha do seu presente

Quem de nós nunca viveu um amor assim? Quem nunca suspirou por uma linda cantora? Ou por uma colega de trabalho? Por uma vizinha, que você insistia em sair no mesmo horário só para encontrar no elevador? Quando projetamos a pessoa ideal em alguém, e imaginamos mil situações românticas e de felicidade eterna, temos o tal “Amor Platônico”.

A beleza do amor platônico é a pureza desse sentimento. Quase sempre é um amor quieto, que não se conhece. Um amar que é mais amar a pessoa do que a si mesmo, pois, mesmo sabendo que pode ser algo que nunca venha se realizar, ainda assim o coração insiste em alimentar. Causa dor, sofrimento e uma sensação de mãos atadas. Quando é algo que realmente não é possível alcançar, menos mal. Ruim é quando você é obrigado a viver calado ao lado da pessoa.

Lembro de um seriado de TV, que a protagonista foi perdidamente apaixonada por um colega de sala. Só finalmente se declarou no dia da formatura. Era tarde. Ele tinha o mesmo sentimento, mas ia se mudar de país no dia seguinte. Um amor platônico. Platônico sem necessidade.

Veja também:  Cine Pipoca - Trumbo: Lista Negra

Então vamos evitar esse tipo de coisa! Vamos investir o nosso tempo no que é real! Se você ama alguém, vá em frente! Não deixe o Platão continuar tendo razão! Agora, se for algo realmente impossível, não disperdice amor e tempo com algo quer nunca vai se materializar!

Beijos,
Ruiz

Paulista, 42 anos, formada em Tecnologia, otimista. Adoro falar sobre moda, beleza e, mais recentemente, sobre maternidade. Aqui escrevo sobre tudo que gosto, espero que gostem também!

12 Comentários

    • Ruiz

      Olá,

      Não é pra rir, não! Desde quando a gente pode rir do sentimento de alguém? 🙂

      Acho que é até normal vivermos um amor assim. Não é ótimo amar? Sentir aquela sensação de mãos frias quando a pessoa se aproxima?

      Beijo,

      Ruiz

  • Daniella

    Não acho que quando realemente não é possovel alcançar seja ‘menos pior’ que quando vc tem que viver ao lado da pessoa. O sentimento é o mesmo e o sofrimento tambem, nao poder tocar, sentir e beijar a pessoa na qual está apaixonada, isso pra mim é uma das maiores dores que podem existir no coração.

    Sabemos que esse tipo de ‘relacionamento’ não vai pra frente, porém em nossa cabeça nos enxemos de talvezes e poréns que nos submete a acreditar mais e mais naquilo que não é real.

    • Ruiz

      Oi Daniella,

      Acho que amar é mesmo esse eterno sofrer… é, de certa forma, projetar em alguém a nossa felicidade. E isso nos faz bem!

      Mas amar é estar presente, estar ao lado – ainda que distante fisicamente. Agora, conviver com a pessoa amada, sem poder viver esse amor é muito massacrante!

      Beijo,

      Ruiz

  • Bruna

    Realmente, creio que seja o sentimento mais puro que existe. Mas, causa muita, muita dor, e nào é nada bom psicológicamente.
    Quase fiquei louca, mas passou.

    • Ruiz

      Oi Bruna,

      É bem assim mesmo. Enquanto é algo gostoso, que não faz mal, tudo bem! Mas quando faz a gente sofrer, aí é preciso fazer alguma coisa: nem que seja fazer esse amor platônico virar realidade!

      Um beijo,

      Ruiz

    • Ruiz

      É, Lu…

      Amor é sempre um tema controverso. Há pessoas que dizem que é o que move os seres humanos. Outros dizem que é o que faz o mundo ser irracional, de certo modo, egoísta e até mesmo produzir a guerra.

      Eu ainda prefiro acreditar que é o que nos move. O amor positivo é aquele que acrescenta, que faz bem a todos. Mas também há o amor ruim, aquele que traz fanatismo, guerra, sofrimento… Esse sentimento, que não deixa de ser amor, é que devemos temer.

      Beijo,

      Ruiz

  • Camila Lopes

    Gostei do tema Ruiz,

    Realmente acho que todo mundo já passou por isso, o perigo desse sentimento é virar obsessão. E é engraçado que as vezes idealizamos tanto alguém que quando se torna realidade não chega nem aos pés daquilo que sonhavamos.

    Abraço.

    • Ruiz

      Oi Camila,

      Você levantou uma questão importante: A obsessão. Não deixa de ser amor, mas é o tipo que nos faz mal – e acaba nos afastando da pessoa amada. E você falou também da decepção de começar a viver o amor platônico, e acabar se decepcionando. Afinal, a pessoa é o que ela é, e muitas vezes projetamos nessa pessoa aquilo que gostaríamos. E aí as coisas começam a dar errado…

      Obrigado por estar sempre presente!

      Beijo,

      Ruiz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *