Variedades

Quando o amor acaba

Por Ruiz

Essa é uma fase que todos podem viver um dia. O dia que percebemos que o amor acaba. Os poetas adoram dizer que ‘quando o amor acaba, é porque não era amor. O verdadeiro amor não acaba’. Concordo!
O problema é manter a chama do amor acesa. Essa é a grande dificuldade de qualquer relacionamento! Começar um amor é algo até que natural, acontece sem a gente perceber que está acontecendo. E quando a gente percebe que aconteceu, já é tarde demais… há muito pouco a fazer.

Mas e quando o amor acaba? É tão natural começar um amor, e é tão pouco natural acabar um amor. Lí em alguma revista dessas, que o segundo maior estresse que umser humano pode passar é uma separação. Só perde pra uma perda de um filho.
E é isso que se sente. Como se o mundo girasse mais lento, como se o chão saísse dos pés. Como se nada mais fizesse sentido. E tentamos nos apegar a qualquer fiapo de esperança de que o futuro será melhor. Mas nem sempre é assim…

Veja também:  Autoestima

O amor acaba virando mágoa. Acaba sendo um sentimento que destrói não só o sentimento que existia, mas a si mesmo e ao outro. E nada se tira dessa situação tão chata. Mas é inevitáve que isso aconteça algum dia.
Pode até ser que duas pessoas não se separem judicialmente. Mas é provavel que vivam solitários por longos períodos. E a solidão a dois é a mais cruel. É como estar preso em uma cela que não tem grades, guardas ou vigilância. Estamos presos porque queremos estar presos.

E acho que a letra da música “If it’s over” da Mariah Carey, sintetiza isso muito bem, como uma poesia sutil, mas forte, em tradução livre: “Se acabou, apenas me deixe ir”. Simples, curto e verdadeiro. Acabou? Acabou… Algumas coisas só terminam quando acabam. E muitas vezes não queremos aceitar que acabou.
Queria falar sobre o que acontece depois que o amor acaba… Tive uma conversa longa com uma leitora que me contou mil coisas e situações e me deu uma boa inspiração para escrever isso e também uma já planejada “Parte II”.

Veja também:  Por que gostamos tanto de esportes?

Beijos e bom final de semana!
Ruiz

PS.: Obrigado, leitora!!!! Vai ficar tudo bem!!! 🙂
PS2: Sigam-me no twitter @ruiz_tb

Paulista, 42 anos, formada em Tecnologia, otimista. Adoro falar sobre moda, beleza e, mais recentemente, sobre maternidade. Aqui escrevo sobre tudo que gosto, espero que gostem também!

24 Comentários

  • Isadora Oliveira

    Ruiz,

    Vc sempre arrasa em seus post inspiradores, e muito chato quando ficamos meses e anos nos desgastando por uma relação que realmente não e como era antes não faz mais sentindo. E chato qdo o amor acaba mas as vezes mesmo sofrendo e bom seguir em frente beijos

  • Verônica

    Adorei o post. Ás vezes, não poucas, damos cabeçadas meses, e até anos, vivendo relações que já não tem mais sentido. Por medo, por orgulho e outros tantos sentimentos, vamos empurrando com a barriga e o que foi um dia amor, acaba se tornando raiva…
    Ficar só é ruim sim, mas um aprendizado que nos fortalece para outras relações, pq só se é feliz com alguém quando se aprende a viver só.
    Bjs

    • Ruiz

      É, Verônica…

      A vida é essa eterna aventura de descobrir o que estamos vivendo, o que estamos sentindo. Viver sem se preocupar? Se preocupar sem viver? Cada pessoa é de um jeito, e é muito difícil conseguir ser um pouco de cada tipo!

      A questão do ‘empurrar com a barriga’ é mesmo comum. Quantos casais estão casados a anos, mas vivem sozinhos há tantos outros. Algumas coisas terminam sem acabar. E isso é muito válido para as emoções humanas.

      Achei fantástica sua ideia de que só se é feliz com alguém, quando se aprende a viver só. Muito, muito profundo!

      Estou adorando ter esse espaço no Blog, pois além de repartir um pouco das bobagens que penso, tenho a oportunidade de aprender muito com vocês leitoras/amigas.

      Vai ficar tudo bem!

      Beijos,

      Ruiz

    • Ruiz

      Oi Natalia,

      Gosto de tratar desses assuntos delicados, mas tentando faze-lo de maneira leve e talvez até descontraída.

      Conte com o Ruiz sempre que precisar! 🙂

      Beijos,

      Ruiz

    • Ruiz

      Oi Teca,

      Em uma geração que está acostumada a ‘ficar’, acho que pode ser difícil descobrir a diferença… Mas a gente não pode deirxar de tentar, não?

      Beijos,

      Ruiz

    • Ruiz

      Oi Mary,

      Realmente não dá pra saber o que é pior. Terminar ou ‘ser terminado’. Infelizmente já passei pelas duas situações.

      Tive um chefe que dizia “Melhor um final horroroso, do que um horror sem fim”. Acho que se aplica para relacionamentos, não?

      Beijos,

      Ruiz

    • Ruiz

      Oi Bella,

      Amor eterno… esse é um tema complexo, não? Acho que o amor pode ter muitas formas, e nem sempre o que o amor se torna é suficiente para unir duas pessoas. Estranho dizer isso, mas me parece cada vez mais real!

      Talvez daqui 10 ou 20 anos faça sentido. Você vai entender! 🙂 Eu costumava pensar igual a você!

      Beijos,

      Ruiz

  • Cris Pironi

    Ninguém gosta qdo um amor acaba, mesmo pq houve muita energia empregada na relação.
    Mas precisamos sempre pegar td como lição.
    O q não vale a pena é se manter numa relação por comodismo, ou para não ficar só.
    Nosso amor deve ser, em primeiro lugar, por nós mesmos.
    Bjsss.

    • Ruiz

      Oi Cris,

      Sabe, em aaaaanos de terapia, eu custei pra entender que “amar, gostar” é uma coisa. E “estar acostumado” com alguém é outra. É difícil a gente entender a diferença quando somos nós os atores dessa peça.

      Mas, ficar com alguém por comodismo é como assistir a um filme por preguiça de levantar e trocar de canal. (comparação bem besta, não? 🙂 )

      Beijos,

      Ruiz

    • Ruiz

      Oi Thá,

      Seu comentário me fez lembrar aquela música: “Eu sei que vou sofrer a eterna desventura…”. Amar alguém não é uma garantia de amor eterno. Piegas, mas “que seja eterno enquanto dure”!

      Beijos,

      Ruiz

  • Ana

    não é fácil, mas isso acontece com todo mundo. A gente sofre um pouco, mas depois passa. E td serve de lição e aprendizado pras próximas vezes, os próximos relacionamentos.
    Tem q refletir, chorar se tiver vontade, comer uma caixa de bombom, ver filmes e chorar muito. Não importa, mas vai passar. Se não foi é pq não era pra ser.

    • Ruiz

      Oi Ana,

      É verdade, sempre ouvi isso e concordo que é verdade: “Ninguém morre de amor”. Talvez até não seja uma verdade absoluta, mas em geral a gente consegue superar.

      Abraço,

      Ruiz

  • Cami

    Realmente não é fácil aceitar que o relacionamento chegou ao fim, e é uma coisa que só entendemos melhor depois de um bom tempo da separação que é quando a razão fala mais alto do que o sentimento de perda.

    E saber enxergar o que levou ao fim, e aceitar o que aconteceu sem mágoa nem sentimentos de vingança mostra realmente que apesar de todo o sofrimento conseguimos amadurecer de alguma forma e com certeza muitos erros não se repetirão em um próximo relacionamento.

    • Ruiz

      Oi Cami,

      Realmente é preciso muito maturidade pra entender que algo pode acabar. E entender que algumas coisas ‘só terminam quando acabam’.

      Gostei da sua abordagem sobre passar um tempo depois da separação. Isso permite a gente entender o que aconteceu. Por isso alguns casais reatam depois de anos separados!

      Obrigado,

      Ruiz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *