Variedades

Vivendo a vida (parte II)

Por Ruiz

Olá Pessoal!
Como vocês sabem, essa semana completei mais uma primavera… “Aí sim, fomos surpreendidos novamente” com uma bela homenagem aqui no blog e também de tantas leitoras. Fica aqui meu “Muito Obrigado!”. De coração!! <3

Nessa época de Natal fico observando como as pessoas são tão diferentes. Alguns estão tão entusiasmados com os presentes, com as roupas e com as comidas. Tem o pessoal do Happy Hour com a turma do escritório, da festa da empresa ou da academia. Até mesmo o pessoal do ônibus fretado (já tão raro na nossa caótica São Paulo!) acaba fazendo a sua comemoração.

Às vezes me pergunto: será que não poderíamos viver dessa maneira o ano todo? Vejo que as pessoas estão correndo de um lado para o outro para poder estar próximos das pessoas que gostam – ainda que isso signifique algum esforço ou sacrifício. E as pessoas estão felizes com seus amigos ocultos.

Aí a gente olha para trás e vê que a pessoa que odiamos o ano inteiro no escritório, nos dá um abraço e um sorriso desejando um Feliz Natal. Rancor? Falsidade? Essa época é um turbilhão de sentimentos e vemos o quanto precisamos do outro. De quanto a nossa vida é vazia quando não temos pessoas queridas. Me recordo que nessa época, um abraço em uma pessoa querida me traz uma emoção enorme, mesmo sabendo que no dia 2 de Janeiro vou estar lá, no mesmo lugar, com as mesmas pessoas.

É o milagre do “Novo ciclo”… do “Renovar as esperanças”. Das pessoas se encherem de boa vontade e conviverem por um ou dois dias como deveriam conviver o ano inteiro. Gosto muito dessa época, pois tenho a oportunidade de abraçar uma pessoa que convive comigo mais de 200 dias por ano, e que nem sequer dirige uma palavra. Mas agora é aceitável eu apertar a mão ou dar um abraço. Não vão dizer que é ‘puxa-saquismo’.

Deveríamos viver cada dia como se amanhã fosse o Natal. Como se amanhã fosse o Ano Novo. Detesto o conjunto Legião Urbana, mas vou usar um super-clichê de uma música deles que diz que é preciso amar as pessoas, como se não houvesse amanhã. E assim vou vivendo… um dia de cada vez, um passo após o outro e esperando que amanhã seja um dia, hmmm… como posso dizer?… tipo assim… “não importa como vai ser”. Vai ser como Deus quiser e como será.

Veja também:  Por que ele não liga?

A gente vai tomando decisões, fazendo coisas, trabalhando… Eu vivi todos esses anos preocupado em ser super produtivo, preocupado em saber como seria minha vida daqui a 10, 20 e 30 anos. E vi que eu deixei de viver o agora.

Vamos deixar esse “Espírito de Natal” entrar em nossos corações e aproveitar essa última semana útil do ano para nos aproximar das pessoas, e dizer – de coração – o quanto elas são importantes para nós.

Beijos,
Ruiz

Paulista, 42 anos, formada em Tecnologia, otimista. Adoro falar sobre moda, beleza e, mais recentemente, sobre maternidade. Aqui escrevo sobre tudo que gosto, espero que gostem também!

12 Comentários

  • Bárbara (Papo de Garota)

    Ruiz, você sempre arrasa nos seus textos! Super me identifico com tudo que você escreve! hehehe

    Eu acho que a gente vive tanto na correria, com milhões de coisas pra fazer, milhões de pessoas pra “dosar” nossa atenção, trabalho frenético… Tudo isso consome a gente de uma certa forma que a gente deixa de cuidar dos detalhes.

    Quando vai chegando o fim de ano, apesar de tudo ficar mais frenético ainda, a gente tem aquela sensação de que depois da tempestade vem a bonança, sabe como?! Parece que vamos nos afastar de nós mesmos por alguns diazinhos e isso já faz com que um abraço da pessoa do trabalho, que tá ali todo dia e que você sequer abraça, seja tão intenso… Porque é quase como se fosse o último… E é, pelo menos, do ano! hehehe

    Adoro o Natal, esse clima envolvente, que faz as pessoas terem mais paciência e mais zelo pelas outras… Algo que vai embora no início do ano seguinte… rss

    Bom fim de ano pra todos vocês! 😀

    Bjos

    • Ruiz

      Oi Bárbara!

      Fiquei vermelho e sem-graça com suas palavras! :$ Obrigado!

      E sobre eu responder cada um dos comentários… poxa… se a pessoa se preocupou em deixar uma mensagenzinha, nada mais justo do que eu agradecer, não? Até porque eu ‘sinto o carinho’ das mensagens que deixam. A gente tem de volta tudo aquilo que a gente oferece. E eu escrevo tudo com muito carinho!

      Beijos,

      Ruiz 🙂

  • Diadebrilho

    Eu tbm penso assim como vc…
    Parece falsidade, mais acho q são esses tempos festivos q as pessoas tentam perdoar aquilo q não foi perdoado e tentar renovar algo q foi quebrado!
    Ótima reflexão
    :**

    • Ruiz

      Olá!

      Esses dias me deixam feliz e triste ao mesmo tempo… Gostei da sua idéia de tentar perdoar – esse é o verdadeiro espírito de Natal! 🙂

      Beijos,

      Ruiz

    • Ruiz

      Oi Karol!

      Fiz uma visitinha lá no seu site! Obrigado por prestigiar nosso trabalho – é com muito carinho que trabalhamos aqui!

      Beijo,

      Ruiz

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *