Variedades

O egoísmo da individualidade

Por Ruiz

Na última semana, ouvi várias pessoas dizerem “Em primeiro lugar, eu. Em segundo lugar, eu. Em terceiro lugar, eu”. Fiquei sem entender a origem de tanta gente falar isso, com tanta conviccção. Bastou uma pequena consulta ao oráculo (Google, é claro!), pra entender que essa é a frase da vez no Big Brother. Sempre achei que Big Brother é coisa séria… Mas dessa vez o cúmulo do mau exemplo acontece.

De verdade, não me importa quem pega quem, ou quem briga com quem. Acho interessante observar o comportamento das pessoas. Não ouço mais falar tanto em afinidades, mas em estratégia. As pessoas não se referem ao outro como ‘amigo’, mas como ‘aliado’. Meus amigos me sacaneiam por eu assistir o BBB. Podem me zuar, eu não me importo… Mas acaba sendo um pouco do reflexo da sociedade que a gente vive. Pode ser que a gente não se veja naquela realidade, mas é a realidade de alguém na vida real. Mas a questão das pessoas baterem no peito e gritarem que são elas em primeiro, segundo e terceiro lugar. Já são três moças que falaram isso na última semana.

Não estou aqui pra falar de BBB. Mas pra dizer que o individualismo está sendo cada vez mais pregado na sociedade. Que não é boabagem se preocupar com o próximo, que é necessário levar vantagem em tudo, que ‘adianta o seu, sem atrasar o meu’. Chato isso.  Individualismo é bom, egoísmo não (como se fossem coisas tão diferentes!!)
Acho que é por isso que os motoristas andam na faixa da esquerda, afinal, dane-se quem quer me ultrapassar – ele que vá pra direita! Dane-se quem está na fila há horas, enquanto eu sou amigo do cara do caixa do banco. Eu preciso gritar no celular. Dane-se quem está perto… os incomodados que se mudem!

É… a gente amaldiçoa quem dá aquela festa barulhenta no dia que queremos dormir, sem perceber que muitas vezes fazemos o mesmo. A gente faz aquela conversãozinha proibida, pra economizar 10 segundos, e buzinamos quando vimos alguém fazendo o mesmo – até xingamos!

Veja também:  Livro: Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor?

Não estou dizendo que eu sou perfeito – acho que fiz tudo isso que eu falei acima nessa semana, mas acho que a gente precisa se preocupar mais em respeitar as regras, em ter um pouco de gentileza com as pessoas. Sei que é cafona e piegas, mas tratando o outro bem, provável que isso voltará pra você. Gosto do “Gentileza gera gentileza”.

Quem sabe a gente pudesse durante uma hora (60 minutos) vivermos para servir ao outro? Acreditarmos, ainda que não seja natural pra alguns, que podemos colocar o próximo em primeiro lugar. O que acham de receber com um sorriso quem aquela pessoa que não gosta, que você mandaria ‘para o paredão’?

Beijos,
Ruiz

Paulista, 42 anos, formada em Tecnologia, otimista. Adoro falar sobre moda, beleza e, mais recentemente, sobre maternidade. Aqui escrevo sobre tudo que gosto, espero que gostem também!

11 Comentários

  • Danielle Ferrão

    É super importante falar disso, porque foi realmente muito questionada a posição da Adriana no BBB, tanto dentro quanto fora do programa. A tendência é o individualismo né? E isso é realmente muito preocupante
    Beijo grande!

  • Cami

    Como tudo na vida, o difícil é começar. Ninguém quer ser o primeiro a ceder, a ajudar, a pensar no próximo. Talvez seja até uma questão de carência, queremos receber primeiro e doar depois.

    A gente vive num caos, um caos interno. Pode reparar, o nível de insatisfação do ser humano é tão grande que nada está bom, nada serve, nada presta. Temos tanto e esse tanto não chega nem perto de nos satisfazer.

    Talvez isso seja um aviso (talvez não né) querendo nos mostrar que não vamos suprir nossas carências e frustrações comprando roupas novas, bebendo, comendo em demasia, ou nos auto-destruindo. Temos que baixar a guarda e nos unir, afinal, o ser humano não é uma ilha, e ninguém por mais bem sucedido que seja consegue viver somente para si mesmo.

    Somos todos capazes de atos de solidariedade incríveis para com o próximo, só precisamos de um empurrão.

    Não vamos perder a fé na humanidade, ainda.

    Abraços.

  • Isadora Oliveira

    Ruiz,

    Infelizmente nossa sociedade e muito individualista mesmo, quando eu fazia um estágio voluntário me sentia tão bem o nosso pais ainda é muito carente e tem muito a se fazer um beijo e parabéns pelo excelente post e por tocar neste assunto praticamente não vejo estes temas em outro blogs beijos

  • Bella Marão

    a última foto me chocou, me lembrou quando uma tia – avó viajou e ficou falando que na viagem haviam muitos negros, quer dizer, oi?? idai tia, eles pagaram também
    mas enfim, é nosso mesmo, a culpa é nossa, não da sociedade, por que nós somos a sociedade
    bjs

    • Ruiz

      Oi Bella,

      É isso mesmo! A culpa acaba sendo nossa!
      Reconhecer que algo não está certo, já é um bom começo! Acho que não podemos mudar o mundo – mas se mudarmos o mundo ao nosso redor, tudo já terá valido a pena!

      beijos,

      Ruiz

  • Carol Carneiro

    Adorei o post!
    Enfim, acho que o nome já diz tudo: “SOCIEDADE”.
    É assim que vivemos, e ser 100% individualista afunda quem esta ao lado!
    E é sempre bom lembrar que você também será “atrapalhado” por quem estiver próximo, né!

    Se todos praticarem um poquinho da gentileza, todo mundo sai ganhando!
    Por que é assim que funciona em uma sociedade: todos juntos pra cima ou todos juntos para o fundo do poço!
    Não é difícil identificar para onde o Brasil esta indo com tanto egoísmo, né?

    Beijos

    • Ruiz

      Oi Carol.

      É bem isso que você falou… a “Sociedade” 🙂
      Falamos tanto sobre viver em sociedade e percebo que ainda não sabemos como deve ser!

      beijos,

      Ruiz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *